FRONTEIRAS DA DEPENDENCIA: URUGUAI E PARAGUAI - 1ªED.(2021) - Vários (ver informações no detalhe) - Livro

FRONTEIRAS DA DEPENDENCIA: URUGUAI E PARAGUAI - 1ªED.(2021)

Vários (ver informações no detalhe)
Editora: Elefante

Postagem: Até 2 dias úteis.

R$ 50,00

em até 3x sem juros

Entrega = postagem + transporte, pesquise para seu CEP:

Sinopse

Uruguai e Paraguai são dois países sul-americanos pequenos, mas muito diferentes entre si. Podemos até dizer que são opostos, a partir de um olhar tipicamente brasileiro.

O Paraguai é associado à precariedade e ao contrabando. Na linguagem comum, o adjetivo “paraguaio” descreve algo falsificado — o “uísque paraguaio” é um exemplo disso. E, como é de praxe acontecer com estereótipos, toma-se a parte (Ciudad del Este e o comércio de importados) pelo todo (o Paraguai).

Já o Uruguai é geralmente percebido como um país de gente culta, educada e cabeça aberta, em especial depois das legalizações da maconha, do casamento homoafetivo e do aborto, ações que reforçaram essa imagem. Essa perspectiva entende o país como um pedaço progressista da América Latina, menos desigual na economia e mais inclusivo nos direitos. Desse modo, enquanto o Paraguai é considerado uma sociedade atrasada, conservadora, autoritária e tutelada por um Estado repressivo, o Uruguai é associado a valores democráticos, liberdades políticas e a uma sociedade civil atuante.

Em síntese, se recuperarmos uma antiga dicotomia do pensamento latino-americano, podemos dizer que os uruguaios estão mais próximos do que poderíamos chamar de “civilização” na América Latina, e o Paraguai está associado à “barbárie”.

Em uma tentativa de ir além da glamorização do Uruguai e do preconceito com o Paraguai, a fim de abranger o entendimento da complexidade da realidade de cada um desses países, em dezembro de 2019, nós viajamos para esses locais, depois de um ano de estudos, e questionamos o motivo desses estereótipos. […] Nossa hipótese principal é que o Uruguai e o Paraguai são opostos de um mesmo fenômeno: constituem as fronteiras do capitalismo dependente na América Latina.

Na atualidade, enquanto o Uruguai vive o outono da cidadania salarial, a acumulação por despossessão que caracteriza o Paraguai se generaliza no subcontinente. Nas páginas seguintes, examinaremos ambas as situações, as quais nos incitam a refletir sobre o passado e o futuro da América Latina.

Dados

ISBN: 9786587235356

Idioma: Português

Encadernação: Brochura

Formato: 13,7 x 20,8 x 1,4

Páginas: 288

Ano de obra / copyright: 2021

Ano de edição: 2021

Edição:

Mais vendidos em Humanidades